.
                                   
.DF
                      
.
     
.                                        
.
     

 

    Artigos
    Seguros
    Oportunidades
    Controle de Qualidade
    Pequenos empresários
    Serviços
    Mediação de Conflitos
    Mercosul
    Finanças&Investimentos
    Idéias
    Opinião
    Internacional

 

Corpo da Letra Editora
Intrigas da CorteIntrigas da Corte - Murilo Cesar Ramos

O Escritor brasileiro aguarda por você na Editora Corpo da Letra.

Dê um clique, vá lá e escolha seu livro, envie sua ordem de compra que nós prontamente providenciaremos.

Leia Intrigas da Corte
Prof. Murilo César Ramos, especialista em Política da Comunicação.

 

    Não sinto culpa

 

     Patrícia Carlos de Andrade
     O Globo 11, Dezembro/2004
     Dominio Feminino, 17 Dezembro/2004

 

 

Opinião:
Deus é brasileiro

 

Leia tudo sobre Inveja

O artigo de Arnaldo Jabor, “Meninos do Rio nos provocam arrepio” (O GLOBO, 23/11), descrevendo medos e culpas diante dos meninos dos sinais, é oportunidade para discutir questão central no jornalismo brasileiro: o predomínio do paradigma que simplifica, em dois sentidos, o problema da pobreza e da criminalidade. Primeiro, porque explica transgressão e crime como produtos da estrutura social e não da responsabilidade individual e, segundo, porque culpa os que prosperam, pela pobreza dos que fracassam.

Não sinto, como Jabor, culpa pelo malabarista no sinal; absolutamente nenhuma. Porque eu não tirei nada dele. Tudo que ganhei, foi com o suor de meu rosto, dando, com determinação, o melhor de mim a cada momento da vida. Sempre cumpri com minhas obrigações, paguei os impostos, votei nas eleições, assinei as carteiras que passaram pela minha frente. E agi para aumentar o bem-estar das pessoas pobres com quem convivi e que, muito pobres como são, nunca quiseram me atacar, roubar ou enganar: a cada ato meu de solidariedade — ajuda para escola dos filhos, pagamento de plano de saúde, da escolinha de futebol, cestas e festas de Natal — sempre tive o retorno em gratidão e amizade.

Que culpa pode sentir um amigo, por exemplo, dono de uma loja do McDonald’s? Com sua vontade de vencer, por mais de doze horas por dia ele combate muito mais a pobreza do que chorões perplexos que reclamam das injustiças, sentados em frente a seus computadores.

Não sinto culpa, porque não faço parte do grupo de intelectuais que, por anos e anos, usa privilégios ou verbas públicas para nos convencer que vivemos numa sociedade de classes e raças que se odeiam, de exploração do pobre pelo rico.

Sinto pena dos meninos, como dos garagistas do edifício em que cresci, que hoje, senhores como eu, continuam na mesma garagem escura; e da cozinheira de minha infância, hoje velhinha, que conseguiu dar estudo para os dois filhos, que tiveram as expectativas frustradas pela falta de oportunidade.

Somos um país sem regras universais de economia de livre mercado, que, como o prova a História do último século, são as que produzem prosperidade para a maioria da população. Afundamos gerações e gerações na mais eterna mediocridade, com uma elite dirigente que, alimentada em suas idéias por intelectuais que acreditam saber a fórmula de um mundo melhor, promete o que não vai entregar, enquanto alguns se locupletam ilimitadamente.

Eu sei para o que digo “basta!”. Basta daqueles que, dos seus cafofos de luxo, publicam artigos não para nos ajudar a entender as bem-sucedidas democracias de mercado que construíram a prosperidade de seus povos, mas para fazer cabeças, com uma visão de mundo coletivista e estatista, já sepultada pela História; que ilegitimamente dizem em meu nome: “Menininho do sinal, não interessa os sacrifícios que o cara ali naquela Mercedes fez para montar seu negócio, dando empregos e oportunidades para centenas de famílias, ou o que suou aquele, no Palio, para estudar e trabalhar no Miguel Couto. Porque o que eles têm, eles tiraram de você. Não sei direito por que vias, mas repito sempre que o que eles têm é o que você não tem. Largue suas bolinhas, junte-se aos outros, e ataque-os sem piedade.”

Basta de sermos enganados nas escolas, nas universidades, na Igreja, com dedos apontados e palavras de ordem: Injustiça Social! Eu não cometi essa injustiça.

É hora de mudarmos o enfoque: sociedades prosperam porque incentivam os pobres a tornar-se ricos, e ricos e pobres a cumprir leis universais e simples, entendidas por todos, sendo os bem-sucedidos referência para os pobres. Sem isso, é mais pobreza, mais ilegalidade, mais jovens de talento no caminho do cinismo ou da emigração, alimentando o círculo vicioso de uma sociedade fracassada.

Precisamos mudar a abordagem sobre riqueza e pobreza para evitar ser parte desse grupo, em que estão muitas sociedades no início do século XXI, particularmente na América Latina.

 

PATRÍCIA CARLOS DE ANDRADE é economista e empresária.

 

Sobe

 

                    

DF
Interativas

Amizade

ClubeDF

CtrlQualidade

Participe
Expatriates

Onça

Amor

Seguros

Socorro

Trabalho&

Negócios

Serviços

Separação

Moda

ElesPorEles

Viagem

Cultura

NetColun@

NetHumor

Brechando

Entrevistas

Mulher

JovensElas

Noivas/Noivos

Perfumes

Lar&Casa

Lojas

Saudável

Internacional

Lazer

Lojas

Temáticos

Editorial
Opinião
Editora
DF

Domínio Feminino © 1998 -2004. Todos os direitos reservados. ] Brasil - Brazil, we speak brazilian Portuguese